Make your own free website on Tripod.com

 

 

Pressupostos para o Ensino de Língua Inglesa

                               

                                                                     Prof. Ms. Hélcio de Pádua Lanzoni

                               

 

  Aluna: Maria Cecília Rocha L.Santos

                                                    

 

 

 

Review the cicles of shifting sands since the Direct Method.

What  did each new method borrow from previous practices, in which

point  they are  antagonists toward the other and when they share the

             same methodology?

 

 

 

 Over the last century several different approaches or theories of language and

  language learning came up. All of those principles were of great importance to

 improve the language-learning process.

 As history has taught us when a new approach to language pedagogy took place

 it was not simply deposited where the old ones used to lay. Sometimes there

 were ruptures (breakages) but most of all approaches changed or joined others

 when some paradigms were broken.

The most important lesson to be learned is that several new approaches were

 many times built  with the ideas of the previous ones: “ Changing winds and

shifting sands”.

We will  try to demonstrate what each approach took from the previous one, in

 which point they are antagonists toward the other and when they share the same

 methodology.

 

 

 

The Direct Method and the   Audiolingual Method are both concerned about

 correct pronunciation but in the first  one instruction was conducted exclusively  in

the target language and in the second one  only  a little use of the mother tongue

 is permitted.

Grammar  was emphasized in both methods  and it is taught by inductive analogy

 rather than deductive explanation. Structural patterns are taught by repetitive drills

 and memorization of set phrases through contrastive analysis: drills, drills, drills..

Concrete vocabulary is taught through demonstration, objects and pictures and

abstract vocabulary is taught by association of ideas.

The teacher has a central and active role in both methods. He provides model,

controls directions, like the “director of a stage play” with students as actors.

 Differently from the Direct Method, the Audiolingual Method uses technological

 resources like tapes and  language laboratories to improve pronunciation.

 

In the Community Language Learning and Total Physical Response methods

 students feel safer than in the prior methods because classes are more flexible

 and students learn what they need or want to, according to their expectancies.

 Classes    are  now centered  on the students themselves and they are firstly

seen as whole persons. Differently from all  methods named before in these

methods teachers do not stay in front of the students only and  there is more

flexibility to talk about what is meaningful for the students.

In the first methods students had to repeat the same words or sentences until no

mistake were made. Now, in the Community Language Learning, the

student himself decides when repetition is OK. As   students  are less

stressed in this method they feel able to make questions and to negotiate

meaning. Pair works also contribute  to develop a feeling of confidence in the

students.  In the Community Language Learning we can notice that learning

must be meaningful for the student .

 

The Total Physical Response method is similar to the Community Language

Learning because its  focus  is the student as a whole person. This method

innovates  when it sets the question that the moviment  of the body helps

memorization  and the cognitive aspect of the language learning. Here the student

learns the meaning through actions.

At this point   the TPR method is similar to the Community Language Learning

when it sets that motivation gets to success. Listening-comprehension comes first

and students will speak only when they feel ready.

On the other hand ,  the TPR method is very different from the Direct Method

and  the Audiolingual methods, where repetition was mandatory. Students do

not memorize fixed routines any more.

In the TPR method , differently  to The Direct Method and The Audiolingual

Method and similarly to the Community Language Learning, less tension

increases learning. Student is not put in a vexatory situation to repeat a drill.

 

In (De)Suggestopedia, as in the Community Language Learning and the TPR

Method the learning process is supposed to be improved in a relaxed mind. What

is different  in (De) Suggestopedia is that all classes have a music background.

Motivation and positive reinforcement are emphasized in this methods as in the

Direct Method, The Community Language Learning and  the TPR method.

Differently from the Direct Method and the Audiolingual, repetition is avoided.

 

Similarly to the Community Language Learning, the TPR and  Suggestopedia,

the Silent Way method is also centered in the student, not in the teacher. The

student creates,  and repetition after a model is avoided.

In the Silent Way Method for the first time  errors are considered important and

necessary for learning. Students can create their own sentences through

negotiation of meaning.

The Natural Approach innovates when it sets that  speech emerges   naturally.

“Acquisition” is seen as a natural subconscious process and “learning” – a

conscious process.

On the other hand, it is similar to The Community Language Learning  and is the

precursor of the Communicative Language Teaching because all these methods

are based on selection of communicative activities and topics derived from learner

needs. Some TPR activities are also used in The Natural Approach , but only at

the beginning level of language learning. At this point it differs from the Total

Physical Response where actions are used in all levels  of learning.

 

 

 

 

Notional-Functional Syllabuses is not a method, it is a syllabus where language

learning is set in a practical and functional way. The learning process is set

upon the principle of “maximum efficiency with  minimum means”. This theory

differs from all others named before and is the precursor of the Communicative

Language Teaching.

As well as the Natural Approach, communication involves language  functions and

grammar structures . Similarly to the Community Language Method and

(De)suggestopedia language in the Communicative Language Teaching a

social context and authentic materials are  used with the purpose of

communication. Students try to make themselves understood through interaction

and  negotiation of  meaning. They express their opinions and share their ideas

and feelings .

 

 

 

 


 

 

 

 

 

Aluna: Maria Cecília Rocha L.Santos

 

 

 

 

 

 

 

 

Pressupostos para o Ensino de Língua Inglesa

 

 

 

 

 

 

Prof. Hélcio de Pádua Lanzoni

 

 

 

 

 

 

 

 

                 Jundiaí

                     Maio/2002

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aluna: Maria Cecília Rocha Leite dos Santos

 

 

 

 

Pressupostos para o Ensino de Língua Inglesa

 

 

 

Prof. Hélcio de Pádua Lanzoni

 

 Review the cicles of shifting sands since the Direct Method.

 What  did each new method borrow from previous practices, in which

 point  they are  antagonists toward the other and when they share the

              same methodology?

 

 

Direct Method and AudioLingual

. Grammar: inductive analogy

. pronunciation is emphasized

.dialogues and drills

.repetition and memorization

. teacher-oriented  classes

. tapes and visuals

. language lab

. errors correction

 

 

Community Language Learning

and Total Physical Response

 

. student oriented classes

. students are whole persons

. students choose what they want to learn

. teacher is not in front of the class

. student will speak when he is ready

. feeling of success and low anxiety facilitate learning

 

 

(De) Suggestopedia

. no repetition/ no fixed structures (= TPR and Community Language Learning)

. varied and playful material

Different: . music to relax students and  improve learning

. positive reinforcement improves learning

 

 

 

 

The Silent Way

.different: errors are important and necessary to learning

.learning is facilitated by accompanying physical objects (= TPR)

d ifferent: .learner creates / he doesn´t memorize and repeat

, learning is facilitaded by problem solving

. no repetition  (different from Ddirect Method and AudioLingual)

. students develop their own “criteria” for correctness

. classes are student-oriented

 

The Natural Approach= Suggestopedia = TPR = Community

. learning through problem solving , no models

. student-oriented classes

 

Natural Approach = Silent Way

. learner speaks when he feels he is ready

 

Communicative Language Teaching = Notional-Functional Syllabuses

Different: . communication involves language functions as well as grammar

                    structures

                  .  language in a social context: students should be able to express

                      their opinions and share their ideas

                   . learn to communicate by communicating

                   . students negotiate meaning to make themselves understood

                   . students should be able to express their opinions

 

                                              oooooooooooooooo.


 

Aluna: Maria Cecília Rocha L.Santos

 

Pressupostos para o Ensino de Língua Inglesa

 

 Prof. Hélcio de Pádua Lanzoni

 

 

 

Krashen – A teoria de aquisição de uma língua para Krashen envolve cinco hipóteses:

 

1a. The acquisition – Learning  distinction

Para Krashen acquisition e learning são sistemas separados:acquisition  é uma assimilação natural do conhecimento, de forma intuitiva , subconsciente, fruto da interação em situações reais de convívio humano, em que o aprendiz  participa como sujeito ativo. É semelhante ao  processo utilizado pelas crianças para aprender a  língua materna., que produz habilidade prático-funcional sobre a língua falada e não conhecimento teórico. É responsável pelo entendimento oral, pela capacidade de comunicação criativa e pela identificação de valores culturais.  É tudo aquilo que o indivíduo aprende e não esquece mais, pois está em sua memória de longo prazo. Para que esta aprendizagem ocorra é preciso que o assunto a ser ensinado seja interessante e que tenha relevância para o aprendiz.

Learning está ligado à abordagem tradicional do ensino de línguas, comumente  praticada nas escolas de ensino médio.. A atenção volta-se à língua na sua forma escrita e o objetivo é o entendimento pelo aluno da estrutura e das regras do idioma através do esforço intelectual e de sua capacidade lógico-dedutiva. É  um  processo consciente de aprendizagem explícita que resulta em saber sobre a língua, conhecendo suas regras gramaticais , sua estrutura e funcionamento.

 

2a. The Natural Order  Hypothesis

Krashen afirma que adquirimos as regras de linguagem em uma ordem natural previsível. Segundo ele há um seqüenciamento natural onde alguns morfemas  gramaticais ou funções das palavras geralmente são  aprendidos antes que outros. Ex. Present Continuous, e o plural são aprendidos naturalmente antes do Past Simple (irregular)  e Present Simple.

 

3a. The Monitor Hypothesis

É um  dispositivo interno de autocorreção que é acionado para ativar ou fazer ajustes na comunicação lingüística. É como se fosse um corretor gramatical interno de regras gramaticais e vocabulário. Em situações formais em que o falante precisa ter uma  boa performance ele mantém o monitor ligado, para falar corretamente, analisando, corrigindo o que está dizendo, segundo as regras gramaticais internalizadas. O monitor é o aprendizado consciente.

Quando um aluno tem uma autocrítica muito forte, ele tem excesso de monitor, o que pode prejudicar sua comunicação. Por outro lado, se ele não se preocupa em falar corretamente, o que ocorre  especialmente em situações informais de comunicação, seu monitor pode estar desligado.  O conhecimento consciente, que é o learning, serve somente como se fosse um monitor, pois ele monitora nossa produção.. Krashen  afirma que há duas condições necessárias para se usar o Monitor: o aprendiz precisa estar conscientemente preocupado com a correção; e precisa saber a regra.

 

 

4a. The Input Hypothesis

São estímulos fornecidos pelo ambiente, fontes possíveis de informação. Segundo Krashen os seres humanos adquirem linguagem somente de um modo: entendendo a mensagem, ou seja, recebendo  insumos compreensíveis.

A condição necessária para que o aprendiz possa se mover do i, seu nível atual de competência   para i + 1, que é um nível de competência superior ao seu, é que ele receba insumos compreensíveis, focados no significado e não na forma .Para que o falante consiga entender estruturas de linguagem que contenham um pouco acima de sua competência lingüística ele também usa o contexto, seu conhecimento de mundo e informações extralingüísticas. Outra parte da hipótese do insumo afirma que a fluência não pode ser ensinada, ela “emerge” por si só, com o tempo. Segundo Krashen, o melhor, ou talvez o único modo de ensinar a falar é simplesmente provendo insumo compreensível. O aprendiz começa a falar outra língua quando se sente pronto e esta prontidão ocorre em tempos diferentes, para diferentes pessoas.

 

 

5a. Hipótese do Filtro Afetivo

O  filtro afetivo é uma barreira mental que impede a assimilação do insumo compreensível para

adquirir linguagem. Quando o filtro está grosso, o aprendiz pode entender o que ouve ou lê, mas não permite que o insumo  atinja o LAD – Language Acquisition Device – aquela parte do cérebro responsável pela aquisição da linguagem.  Portanto, a aprendizagem fica prejudicada quando o aprendiz está desmotivado , ansioso , com falta de confiança em si, ou  quando está   preocupado com a possibilidade de falhar na aquisição da língua alvo. E mais, se  ele  acha a informação irrelevante ou desinteressante ele também não a aceita e não aprende.

Por outro lado, os aprendiz que está mais propenso a aprender é o que tem um filtro mais baixo e mais fino, ou seja, está afetiva e emocionalmente disposto a aprender. Portanto, segundo Krashen, quando o filtro estiver fino ou “down” e o insumo for compreensível e apropriado, a aquisição da linguagem será inevitável.

 

 

1. DEFININDO COMUNICAÇÃO

É o processo pelo qual as pessoas trocam informação ou expressam seus pensamentos

sentimentos. É uma forma de interação social que envolve imprevisibilidade e criatividade,

tanto na forma lingüística como na mensagem, no significado.

Para que a comunicação aconteça,  tem que ter um propósito e envolver situação autêntica. É considerada bem sucedida se funcionar em situações reais  em que há troca e negociação de sentido entre pelo menos duas pessoas, através de símbolos verbais ou não verbais,(entonação, gestos, expressão facial)  de modo oral, visual ou  por escrito.

A comunicação fica prejudicada sob limitação psicológica e outras condições como memória, fadiga e distrações.

 

2. COMPONENTES DA COMPETÊNCIA COMUNICATIVA

A estrutura teórica da competência comunicativa inclui quatro áreas de conhecimento e habilidades:

- Competência Gramatical - Pressupõe a capacidade de aplicar corretamente o conhecimento gramatical. É o modo como as formas fonológicas, morfológica e sintática são combinadas para formas sentenças.

- Competência Sociolingüística- É a capacidade de estabelecer interações lingüísticas dentro de um contexto social, respeitando-se suas características e particularidades.É saber o que falar, com quem, onde, como e de que maneira.

- Competência Discursiva - É a habilidade de elocução do falante. Através do discurso oral e escrito o falante expõe suas idéias de forma a se fazer entender por seu interlocutor.

- Competência Estratégica - É uma das habilidades mais importantes e negligenciadas da comunicação. Envolve informação   extralingüística como gestos e  símbolos não verbais.

 

 

3. DEFININDO ABORDAGEM COMUNICATIVA

 

  1. Abordagem  Gramatical

  É organizada  na base da lingüística ou formas gramaticais (formas  fonológicas e morfológicas), 

  (padrões sintáticos e itens lexicais) e o modo como estas formas são combinadas para formar

  sentenças.  Atualmente muitos materiais de ensino de cursos de segunda língua são organizados

  com base nesta abordagem gramatical.

 

1.1.            Abordagem Comunicativa

   É organizada em torno das  funções comunicativas (functional-notional)  que o aprendiz precisa

   para  usar  determinadas formas gramaticais apropriadamente.

:Uma abordagem comunicativa tem que ter uma intenção para a aprendizagem, um objetivo e tem que fazer sentido para o aprendiz. Exercícios como o Information Gap, em que os participantes têm somente parte da informação total, incentivam a criatividade, a partir da imprevisibilidade. Reproduzindo situações reais de comunicação. As atividades têm que ser mais legítimas, envolvendo situações possíveis de acontecer em autêntico contexto de língua materna.

 

 

 

 A INFLUÊNCIA DAS ABORDAGENS DE ENSINO

 

1. O FOCO NA FORMA E FOCO NO USO

 

Por ter pouco acesso a intercâmbios reais com falantes da língua alvo e também por muitas vezes estar exposto a uma abordagem de ensino menos voltada ao desenvolvimento de habilidades comunicativas e mais voltada ao ensino gramatical muitos  aprendizes não desenvolvem a competência lingüística necessária em língua estrangeira.

A interação desenvolve papel crucial no desenvolvimento da segunda língua e, portanto,  dependendo da qualidade e quantidade do insumo recebido,  os falantes podem desenvolver mais  ou menos habilidades comunicativas e estratégicas.

Muitos aprendizes adultos, ao estudar certas estruturas lingüísticas, sentem necessidade de um ensino lógico-estrutural mais explícito,  de gramática. Aprendizes mais jovens, por outro lado, parecem preferir a aprendizagem através de métodos holísticos em que as estruturas gramaticais estão implícitas e são adquiridas subconscientemente.

Partidários de uma abordagem mais comunicativa costumam condenar a abordagem mais formal ou estrutural e sua argumentação é que a habilidade gramatical não remete necessariamente ao uso apropriado da língua.

De qualquer forma, é importante analisar os objetivos do aprendiz, ou seja, para quê ele quer aprender a língua alvo e que nível de proficiência quer atingir.

Para muitos aprendizes, uma língua pidginizada,  que é a ocorrência de formas de uma língua na outra, causando desvios perceptíveis no âmbito da pronúncia, do vocabulário, da estruturação e no plano idiomático e cultural, é suficiente para o que pretendem. Nestes casos, um ensino comunicativo sem gramática explícita pode ser muito eficiente, o que provavelmente não atenderia àqueles aprendizes que têm um grau maior de exigência, que fazem questão de conhecer melhor as estruturas gramaticais da língua alvo.

Há, portanto, dois estereótipos com relação a abordagens gramaticais explícitas e implícitas: um aluno fluente que constrói sentenças com problemas gramaticais  e um aluno que domina a sintaxe, estruturas gramaticais,  mas que tem muita dificuldade para se comunicar oralmente.

 

 

 

II - CONSIDERAÇÕES SOBRE COMPETÊNCIA E ENSINO COMUNICATIVOS

 

Competência comunicativa é a capacidade de exprimir e interpretar mensagens e negociar sentidos interpessoalmente, dentro de contextos sociais específicos. Esta competência  é relativa porque depende de interação e cooperação entre os envolvidos. Inclui competência gramatical, lingüística, discursiva e estratégica. Além da competência gramatical, que envolve conhecimento implícito e explícito sobre regras gramaticais, inclui também competência contextual ou sociolingüística.

Engloba conhecimento sobre forma e função, com ênfase no último.

A competência comunicativa é obtida através de uma abordagem integrativa que envolve:

Competência sociolingüística, que é a capacidade de perceber a diferença entre o significado

 literal de uma elocução e a real intenção do falante dentro de determinado contexto social,   . Competência estratégica, onde estratégias verbais e não verbais complementam a comunicação

  e compensam suas falhas e Competência Gramatical, que pressupõe a capacidade de aplicar corretamente o conhecimento de itens gramaticais, lexicais, regras de morfologia, sintaxe, semântica frasal e fonológica. É o modo como as formas fonológicas, morfológicas e sintáticas são combinadas para formas sentenças.

Enfin, o ensino comunicativo em uma língua estrangeira é aquele que procura capacitar o aluno, através de tarefas (tasks) de seu real interesse, a usar a língua alvo, a interagir com outros falantes-

usuários dessa língua de forma real. É uma atividade tanto de criação como de aceitação de

convenções, em que o aprendiz tem que negociar com a língua-alvo e recriá-la por si mesmo.

O potencial de comunicação/inter-relação é infinito e quando o aluno percebe seu potencial de competência comunicativa ele busca conseguir a maior eficiência mesmo com o mínimo de recursos.

 

Apêndice 1

Conclusão: É necessário encontrar um equilíbrio entre o tempo dedicado ao ensino de regras explícitas e o do uso comunicativo da linguagem, ambos podem contribuir para o desenvolvimento do sistema de regras implícitas.

 

 

 

TRANSFERÊNCIA, INTERLÍNGUA E FOSSILIZAÇÃO

 

I . TRANSFERÊNCIA  é quando o aprendiz transfere elementos da língua materna para a língua alvo, de forma consciente ou inconsciente.Esta transferência é positiva , quando ele transfere à língua alvo dados similares à sua língua materna, o que pode facilitar a aprendizagem, mas é negativa quando transfere dados diferentes, que podem levar a erros.

Fatores sócio-culturais, personalidade, fatores biológicos, idade e influência da língua nativa podem interferir no modo como um aluno utiliza o sistema sonoro da língua alvo.

 

II. INTERLÍNGUA é o sistema de transição criado pela pessoa ao  longo de seu processo de assimilação de uma língua estrangeira.É o momento em que a língua estrangeira e a língua materna começam a se fundir.

A interlíngua tem organicidade própria (entre o sistema lingüístico da língua nativa e o sistema da língua alvo). É um sistema baseado em uma tentativa dos aprendizes de estruturar e ordenar os estímulos lingüísticos que recebe.

 

 

Estágios do aprendiz

1o) erros aleatórios – quando o aprendiz não tem sistematização.

2o) emergente – quando ele começa a discernir sub-sistemas, a internalizar certas regras.

3o) sistemático – quando o aluno começa a se monitorar, a corrigir seus erros.

4o) estabilização – quando o aprendiz tem relativamente poucos erros e já tem plena habilidade de

     auto-correção.

 

 

 

Variações na Interlíngua

A linguagem produzida pelo aprendiz é vista como uma língua exótica, cujas regras são instáveis, pois mudam sob condições diferentes, são criativas e originais.

 

Variação imprevisível

a)Sistemática, que pode ser prevista e explicada e pode ser subdividida em duas categorias: variação individual:  Decorrente de fatores individuais dos aprendizes, como motivação e atitude, eles apresentam performances diferentes quanto à produção da interlíngüa.

a)      variação contextual: depende do tópico, do interlocutor, da localização física, etc. O contexto lingüístico também interfere.

b)      Variação não sistemática:  quando é imprevisível e aleatória.

 

 

III. FOSSILIZAÇÃO refere-se aos erros e desvios no uso da língua estrangeira, internalizados e difíceis de serem eliminados.

Se a intensidade de exposição do aprendiz a um ambiente autêntico de língua e cultura estrangeir for insuficiente, a interlíngua persistirá por mais tempo, causando uma tendência maior à fossilização dos desvios. Portanto, se a produção de linguagem imprecisa em língua estrangeira  não for compensada por insumo autêntico, acabará causando uma internalização prematura de formas de interlíngua, isto é, a fossilização dos desvios que a caracterizam. Por outro lado, se o aprendiz accha que o nível de conhecimento lingüístico que possui é suficiente, ele se estabiliza e fossiliza os erros.

 

 

O caso terminal 2/2+  

Refere-se ao indivíduo que tem alto vocabulário, mas estruturas gramaticais incorretas fossilizadas. Este é um fenômeno que acontece bastante entre aprendizes adultos.

Higgs e Clifford afirmam que tais modelos fossilizados não são remediáveis, mesmo com programas intensivos de treinamento ou interações lingüísticas com falantes nativos .

 

 

O caso terminal 1+

Acontece muito freqüentemente quando a língua estrangeira foi aprendida sem instrução formal, onde precisão gramatical não é necessária para a sobrevivência do aprendiz., internalizando estratégias incorretas de comunicação. Segundo Higgs e Clifford, a reversão desse quadro é raramente bem sucedida.

 

Os dois tipos de aprendizes terminais descritos acima têm em comum, além do fato de parecerem ser imunes à aprendizagem, já que os seus padrões gramaticais incorretos se encontram fossilizados.

 

 

DIFERENÇAS INDIVIDUAIS E QUESTÕES AFETIVAS

O efeito do conhecimento gramatical sobre a performance lingüística da pessoa dependerá muito da característica de personalidade de cada um.

 

Introversão e Extroversão

 

Pessoas que tendem à introversão, à falta de autoconfiança ou ao perfeccionismo, se submetidas à aprendizagem cuja abordagem é inspirada em learning , onde “erros” são insistentemente corrigidos e reprimidos,certamente  desenvolverão um bloqueio que comprometerá sua espontaneidade .

 

Pessoas que tendem à extroversão, que falam muito, de forma espontânea e às vezes impensada, também se beneficiarão muito pouco do learning,

 

da aprendizagem gramatical explícita, uma vez que sua função de monitoramento é quase inoperante,

Os únicos que se beneficiam do learning são as pessoas cuja característica de personalidade se situa num ponto intermediário entre a introversão e a extroversão, e que conseguem aplicar a função de monitoramento de forma moderada e eficaz.

 

 

ESTILOS COGNITIVOS

 

Segundo estudiosos do assunto, os aprendizes que usam mais o lado esquerdo do cérebro são mais analistas, objetivos e racionais. Os que usam mais o lado esquerdo do cérebro são mais poéticos.

Muitos aprendizes adultos sentem necessidade de conhecer regras gramaticais, porque assim sentem-se mais seguros e os jovens (e alguns adultos) preferem uma instrução em que estruturas gramaticais são aprendidas de forma holística.

Há outros que não conseguem transferir o conhecimento formal de gramática que adquiriram para a aplicação prática.

 

Portanto, o professor, em suas aulas, deve contemplar os diferentes estilos cognitivos com atividades e tarefas diversas para desenvolver  habilidades específicas.

 

FILTRO AFETIVO

O conceito de Filtro Afetivo de Krashen, já citado no início deste trabalho, não pode deixar de ser levado em consideração. Muitos aprendizes, mesmo expostos a uma grande quantidade de insumo compreensível, não conseguem melhorar seu nível de aquisição por causa do filtro afetivo, podendo , inclusive, ocorrer fossilização.O sucesso na aquisição de uma segunda língua depende muitas vezes das seguintes variáveis afetivas:

 

Atitude: Esforço e persistência do aprendiz, aliados a um objetivo interno são fatores que freqüentemente determinam o sucesso na aquisição de uma segunda língua.

 

Aptidão: Pode-se considerar hoje que são quatro os componentes básicos para a análise da aptidão para línguas:

-          Habilidade de codificação fonêmica: algumas pessoas conseguem perceber sons, têm percepção, sutileza sonora e lingüística.

-          Sensibilidade gramatical: alguns percebem bem as funções sintáticas e morfológicas.

-          Habilidade indutiva de aprendizagem de línguas: alguns deduzem o que está sendo ensinado, têm sensibilidade para compreender, fazendo boas inferências.

-          Memória e aprendizagem: algumas pessoas têm maior capacidade de armazenamento de informações, em outras o armazenamento é menor ou mais lento.

 

Ansiedade: Um pouco de ansiedade é sempre benéfico para a aprendizagem, mas o excesso de ansiedade causa stress, prejudicando a memória e concentração, levando muitos indivíduos a abandonar os cursos por não conseguirem atingir um estágio ideal de aquisição.

 

II. Motivação: desempenha papel fundamental e decisivo para o sucesso ou fracasso na aquisição de uma segunda língua.

Tipos de motivação:

-          Extrínseca: vem de fora  para dentro. Por exemplo, quando os alunos estudam por imposição dos pais, para obter sucesso em exames ou por influência de colegas.

-          Intrínseca: quando o que conta é a aprendizagem por si só, pelo prazer de aprender.

 

 

 

 

GLOSSÁRIO

 

Language acquisition: It is a natural and subconscious way of developing competence in a second language. It is “Picking up a language”. It is in our long-term memory.

 

Learning: a conscious knowledge of a second language, knowing the rules, being aware of them and being able to talk about them.

Competence: the degree of accuracy achieved by learners when their attention was focused on form.

Performance: The degree of accuracy achieved when the focus ws on the transmission of meaning.

The input hypothesis: relates to acquisition, not learning.